ALAP | Associação Latino-Americana de Publicidade

Author: admin

PROPAGANDA X PUBLICIDADE

joao-696x418

Perdemos Belmiro Zaffari, grande empreendedor voltado à Propaganda Ética e Social, nosso norte. Por convite do seu Tio Danilo Zaffari, fundamos a Unesul Turismo em 1966 com capital majoritário em meu nome. Encerrei as atividades da Minuano Propaganda que fundei em 1958 e havia sofrido um enorme prejuízo com a realização da EFAP – Exposição dos Financiados da Aliança para o Progresso, no final de dezembro de 1965 quando eu e o Marco Antonio Kramer (trabalhávamos juntos na minha agência) éramos formandos da primeira turma de Propaganda da FAMECOS, junto com o Plinio Cabral, chefe da Casa Civil do governo Meneghetti. Ele desenhou a EFAP porque havia conseguido financiamento da Aliança para o Progresso em 1964 para o asfaltamento da estrada da Produção, uma obra fantástica do Brizola. Mas com a EFAP ficou pra mim a realização de um sonho, que era fazer um curso na Voice of América na capital do presidente Kennedy. E graças à EFAP, minha esperança se concretizou depois de 10 dias de treinamento intensivo no jornalismo e propaganda em Washington.

Com a Minuano, conquistei a conta do grupo Unetral e Unesul Transportes, o maior do sul do Brasil com ramificações no Uruguai e Paraguai e, a pedido do Danilo, fui a Erechim para motivar o talentoso Belmiro em 1966 a trocar a profissão de professor  para assumir o comando do  empreendedorismo da família Zaffari do Planalto e da Unesul Turismo, que deixei em 1967 voltando à Propaganda, quando fundei a Arauto Publicidade. O Danilo estava enfermo por acidente sofrido num rally automobilístico, não conseguiu controlar o “diabetes” para curar a perna ferida e sentiu que sua vida estava terminando.

Muito inteligente, estudioso de fatos sociais, o Belmiro admirava a mídia e jornalistas que escreviam sobre economia e davam informações exclusivas de interesse da sociedade.

Aos domingos de 1968 a 73, eu estudava Ciências Jurídicas e Sociais na UPF, corria com o Belmiro no Parcão e nos dias chuvosos nos encontrávamos por volta das 10h30min com o colega Fernando Albrecht, que ele admirava como eu, no Restaurante Liliput ou Rex e o assunto girava em torno do desenvolvimento da indústria da comunicação no RS, SC e Paraná.

Num desses Encontros, perguntei para o Belmiro qual a diferença entre Propaganda e Publicidade? Sem pestanejar esclareceu: “A Propaganda é Ética e Social, a Publicidade muitas vezes é antiética e corrompe profissionais que dela vivem”. O Fernando anotou a afirmação. Eu, como presidente do Sindicato das Agências de Propaganda no RS, levantei da cadeira e cumprimentei-o com alegria.

Em 2007, fui motivado por uma gráfica que queria ajudar o Instituto Ver Hesíodo Andrade, a ONG da Propaganda, a contar para uma jornalista cases da minha trajetória na Propaganda e na Justiça e o depoimento do Belmiro Zaffari que a jornalista Clarice Ledur conseguiu está no meu livro beneficente “Causas e Concausas da Vida de um Comunicador” na página 126: “João Firme foi o lançador do Turismo Empresa, pois até a época de 1967, somente existia turismo com características familiares.’

Recordarei no livro 2, que será lançado em Paris no dia 21 de setembro na Embaixada do Brasil, que desenvolvi um projeto rentável para a Unesul Turismo comprando diárias em apartamentos de hotéis 4 e 5 estrelas em Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Gramado e passagens da VASP para usá-las em 90 dias. Pagava à vista com aportes da Unesul Transportes. Depois fazia alguns anúncios em jornais e rádios com os menores preços do mercado e vendia rapidamente para grandes empresas. Foi uma “dinheirama” de lucro mensal.

Foi por isso que escrevi o artigo “Turismo sem Propaganda não Existe” que ganhou reprodução na mídia nacional e internacional.

Com o Belmiro Zaffari que está me esperando no céu, “quero trazer à memória o que me pode dar esperança”. (Lamentações 3:21)

*João Firme é publicitário e jornalista

DISCURSO DE WILLY HAAS FILHO DA REDE GLOBO DE TELEVISÃO NO DIA 7/6/2017

wh

O 21º Festival Mundial de Publicidade de Gramado mostrou a que veio: casa cheia, muito debate e um nível de palestrantes de dar inveja. Realizado de 7 a 9 de junho de 2017, teve como pano de fundo o tema “Nunca a diferença fez tanta diferença”. O presidente do evento foi Sérgio Gordilho, CEO da agência África. O patrono foi Carlos Henrique Schroeder, diretor-geral da Rede Globo. Como presidente do júri, Hugo Rodrigues, ex-CEO da Publicis Brasil, atualmente CEO da WMcCann Erickson.

Além de toda a ampla programação, o evento foi marcado pelo Galo de Gramado, agora reconhecido como patrimônio histórico e cultural de Gramado, “um prêmio oficial enquadrado na lei da cultura e da arte”, como diz João Firme com muito orgulho.

A premiação aos profissionais também teve um momento muito especial.

Veio pela fala de Willy Hass, diretor-geral da Rede Globo, ao receber o título de Cidadão Latino-Americano das Comunicações, pela ALAP. Ele surpreendeu a plateia, inicialmente reproduzindo um provérbio secular de Lawrence Sterne, escritor inglês 1713- 1768:

“Fala-se em perseverança quando é por uma boa causa, e em obstinação quando é por uma ruim”. Em seguida, ele continuou:

“Não é bem assim! Perseverança e obstinação impulsionam grandes causas e grandes realizações. Pessoas perseverantes e obstinadas são, por isso mesmo, invejadas, admiradas e raras. O Festival Mundial de Publicidade de Gramado teve sua primeira edição em 1975. Acredito que nenhum de nós tem a exata noção das dificuldades enfrentadas para que se chegasse à 21ª edição.

Dito isto, ao agradecer à ALAP o título de Cidadão Latino-Americano das Comunicações, peço licença para dedicá-lo a um profissional incansável, perseverante e obstinado.

Um homem que não esmoreceu diante do pessimismo das crises econômicas e políticas, nem diante das barreiras culturais e empecilhos burocráticos da América Latina.

Em nome de todos vocês e na certeza de estar interpretando o desejo do nosso mercado, dedico este título a João Firme, fundador do Festival Mundial de Gramado, a quem peço uma salva de palmas. Parabéns João Firme. Muito obrigado”.

POR QUE OS CHINESES E JAPONESES VIERAM AO FESTIVAL MUNDIAL DE PUBLICIDADE DE GRAMADO?

alap_post

Um evento que é referência nacional em comunicação pelo Itamaraty corre o mundo.

Em 2005, compareceu o Ministro das Comunicações da China, Shi Xuezhi, que queria conhecer a nossa Auto-Regulamentação Publicitária e a metodologia para a propaganda dos Ministérios, Autarquias e Sociedades de Economia Mista do governo federal.

Celito de Grandi, Secretário de Comunicação do RS, presidiu um painel com a presença de um de um debatedor de Paris, Jacques Bille, presidente da Associação de Agências da França e transmitiu as informações solicitadas.

Alberto Freitas, diretor da Agência Matriz de Porto Alegre, foi o presidente desta edição e o Patrono Homenageado, Otávio Gadret, presidente da Rede Pampa de Comunicações do RS.

No Festival de Publicidade de Gramado de 2007, os Japoneses liderados pelo CEO da Dentsu na Ásia deram a surpresa, apresentando a Nova TV Digital no Brasil e o engenheiro Yhauso Takabashi que a criou. Ele deu um show de conhecimentos e foi convocado pelo Cônsul Japonês no RS para palestrar, no dia seguinte, para empresários associados da FIERGS – Federação das Indústrias e Empresas do RS.

Airton Rocha foi o Presidente. Ele é diretor da Martins+Andrade e Presidente da ALAP. Roberto Duailibi da DPZ&T foi o Patrono Homenageado. Duailibi é Conselheiro e presidente Emérito da ALAP.

* João Firme
Publicitário e Jornalista

PROPAGANDA PREMIADA DE PREVENÇÃO À VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS

*João Firme

Louvável a iniciativa da primeira-dama do RS, senhora Maria Helena Sartori, de contratar uma agência de propaganda para idealizar um concurso de trabalhos voltado à prevenção da violência ou ao “bullying” nos colégios e premiar as melhores peças de propaganda neste sentido.

Este tema da cultura faz parte do Prêmio de Criatividade Profissional da 2ª Edição Extra do Festival de Gramado em Paris, dia 21 de setembro de 2018, na Embaixada do Brasil. A melhor peça publicitária dessa área receberá o cobiçado Galo de Gramado Paris.

Lembro de meu pai, criado por família alemã de Panambi-RS, onde trabalhou na “roça” até conseguir emprego de “tuco” na Viação Férrea, e da mamãe, que contava que fui salvo por leite de mãe preta. Ela dizia que eu deveria rezar sempre para Nossa Senhora Aparecida, que ajudou em sua fé a minha sobrevivência e, depois, a convivência como “guri”, junto com deficientes visuais e autistas descendentes de nações de Chopin, São Francisco de Assis e do Paizinho Russo no colégio Visconde de Cairu de Santa Rosa de Lima.

Com a triste Segunda Guerra Mundial, se instalou a violência com a caça às “bruxas”, principalmente aos coleguinhas germânicos e italianinhos, e muitas vezes “peleava” e apanhava por eles, ao ponto de um dia ter chegado em casa com hematomas e meu pai se armou e foi ao Visconde de Cairu se oferecer para exercer a guarda voluntária.

Parabéns grande senhora Maria Helena Sartori pela feliz iniciativa.

Acreditemos no Brasil.

Pela Pátria, morremos na esperança.

      * Publicitário e Jornalista

PROPAGANDA PARA EVITAR A MORATÓRIA

        *João Firme

O que disse em Porto Alegre, Rodrigo Maia, foram verdades nuas e cruas sobre o que vai acontecer se não corrigirmos os rumos da Previdência e da Justiça do Trabalho foi sublinhado pelo erro do governo não ter recorrido à Propaganda para  conhecimento público da importância das reformas para a continuidade do crescimento da economia,caso contrário vamos para o fundo do poço com “super- inflação” e veremos de costas o Clube de Paris e o FMI.  Entrevistamos e convidamos juristas internacionais para virem participar de Seminários em Gramado e Passo Fundo entre  os quais, Rafael Caldeira da Venezuela,ex-presidente do país de Simon Boiliviar  que foi um dos redatores mais avançados em Justiça do Trabalho no tempo em que  Getúlio Vargas sancionou a lei da nossa Justiça do Trabalho até então,uma das melhores do mundo e por isso permancem na constituição;  o peruano Montenero Baca, estudioso de leis sociais trabalhistas e amigo de Alcione Niederauer Correa,Juiz do Trabalho em Passo Fundo em 1973 e das mãos dele recebemos nosso diploma   de Ciências Jurídicas e Sociais da UPF;  Francisco Arrazures de Santiago do Chile, Silvio Vioti de Buenos Aires, Oscar Arias da Costa Rica(prêmio nobel da paz e duas vezes presidente da república costarricense)), e os grandes juristas brasileiros:  Vitor Russomano e  Coqueijo Costa que “arrasaram” em Gramado no Seminário de Direito do Trabalho da América Latina, idealizado pelo Juiz José Brunes, presidente do TRT da 4ª Região, quando éramos Juiz Classista substituto da 5ª Turma e fomos o relações públicas do evento por designação.

Sobre a Previdência, o BID-Banco Interamericano de Desenvolvimento Econômico, desembarcou em Porto Alegre em agosto de 2004,com o  médico sanitarista Tomas Engler e  na ARI-Associação Riograndense de Imprensa firmou convênio com  ALAP-Associação Latino-Americana de Publicidade para conscientizar as agências de propaganda da América Latina e do Caribe para criarem anúncios de responsabilidade social(cultura,arte,saúde,sustentabilidade ambiental, desing e artes gráficas, prevenção às drogas, valorização do idoso,liberdade de imprensa, propaganda de Bem Público e de Criatividade Política). Idealizamos o Prêmio Universitário Internacional de Gramado,paralelo ao Festival de Gramado de 2005 e o primeiro tema  foi do BID , Valorização do  Idoso na Sociedade, pois o Brasil será até 2020 o país que terá a maior população de aposentados com saúde e o Chile e o Uruguai estão  no nosso caminho. O vencedor, um jovem da Universidade Uniara de Marília conquistou do júri,o  Galo de Ouro e 1 mil  500 dólares entregues´pelo médico Panamenho,Tomas Engler. O anúncio foi de  Jornal. A FAMECOS/PUCRS recebeu Galo de Ouro na mídia de Rádio.

Na reunião fechada em Gramado com o médico,diretor do BID em 2005 com dirigentes de Sindicatos de Agências ele nos disse que a Previdência com aposentadoria entre 50 e 60 anos será a causa do empobrecimento de muitas nações latino-americanas.

 Com referência ao que o deputado do DEM,Rodrigo Maia afirmou da Justiça do Trabalho foi uma reprise da conferência do ministro dos TST,Gelson de Azevedo que assistimos na Associação de Dirigentes Cristãos  na última quinta-feira de outubro quando   enfatizou com simplicidade e autenticidade que toda lei é ambígua e a transformação que defendia é dentro de uma nova realidade requerida pela sociedade para que o país tenha  desenvolvimento e os empresários mais segurança jurídica.

 Na  constituição  continuam todos os direitos dos trabalhadores,disse ele. Para quem não sabe, o ministro Gelson é de uma linhagem de publicitários,pois seu pai foi diretor financeiro por mais de 30 anos do Correio do Povo e somos  testemunho quando éramos presidente do Sindicato das Agências de Propaganda  no RS, da sua preocupação com as pequenas agências que perdiam o direito de veicular por atraso de pagamento das faturas dos anunciantes.  Trabalhamos juntos com o seu irmão Gilberto que foi fundador da Texto & Arte Propaganda e mais tarde Juiz Classista numa das Juntas de CJT  de Porto Alegre  e ainda vive praticamente sem visão pelo dibetis  e glaucoma. Gilberto de Azevedo, ex-colega da 5ª Turma do TRT que nos ajudou  em Acórdãos, palestrou dia 9 de junho num evento paralelo pela manhã no Festival Gramado no dia 9 de junho e ouvimos dele que o autor do projeto da Transformação é o jurista Ives Gandra, presidente do TST, acrescentado: “Pelas ideias de acompanhar os fatos sociais para a realidade do julgamento, fui incumbido pela JT para estudar na França e na Espanha para dirigir depois que aprovada a lei  a Escola da Magistratura onde terei que dar aulas para colegas magistrados e recusei o cargo de diretor,preferindo ficar como co-criador.” -Na transformação, teremos o Enunciado que vale para centenas de ações e a redução da sucumbência dos honorários advocatícios encargo do empregador que  passará pelo valor da causa apurada em sentença após o parecer do  perito quando o pedido envolver horas extras,”horas “in itineri” e equiparação salarial.Os empresários condenados pela JT e que não podem mais prosseguir empreendimentos porque as negativas são positivas recebem a lição que serve para novos: todo contrato de compra e venda de uma empresa tem que constar um cláusula de responsabilidade a partir da data da compra e assim serão salvos de reclamatórias de antigos empregados. O empresário que faz o bem é o que humaniza a empresa.

        *Publicitário e Jornalista

DEUS, PÁTRIA E FAMÍLIA NA PROPAGANDA AMERICANA

*João Firme

Convidado pelo departamento de Estado dos EUA depois de passar pelo FBI como estudante formando em propaganda em 1965 pela FAMECOS/PUCRS, fizemos um curso de imersão por 6 dias na Voice of America em Washington, condição” sine quanon ” para convidarmos Jacqueline Kennedy para inaugurar, no dia 15 de dezembro, a EFAP-Exposição dos Financiados da Aliança para o Progresso,  da qual eu o Marco Antônio Kraemer, ambos da Minuano Publicidade éramos os líderes eleitos pelos nossos colegas de curso.

Conhecemos Emilio Braier de Cachoeira do Sul, que era o diretor de 17 brasileiros jornalistas que trabalhavam  na grande emissora de 43 frequências em ondas curtas e tropicais (100 kilowates), que tinha  dois mil funcionários e, em determinados horários, apresentava  noticiários relacionados à educação, saúde, meio-ambiente, economia, turismo  e política para países diferentes no mundo.

No terceiro dia do curso  fui jantar na linda casa do Cachoeirense de origem alemã e seus dois meninos,  de mais ou menos 5 e 7 anos, que me agarravam e brincavam comigo como se eu tivesse idade de avô.

Sorvendo a erva-mate que não entope, que  o Paixão Cortes fazia propaganda para a Minuano, tive que lembrar  detalhes como ter sido retido por duas horas no Aeroporto de Kennedy em Nova York e de nada adiantaram os telefonemas do Emílio. que ficou apreensivo no aeroporto Thomaz Jeferson me aguardando com sua família. Meus carteiraços do Consulado de Porto Alegre, convite da USAID e identificação da ARI de nada adiantaram para a poderosa polícia aduaneira agrícola,superior ao FBI  na entrada de produtos agrícolas. Fui liberado duas horas após a análise de sangue com  o resultado negativo de maconha.

Perguntei ao Emílio por que aquele cartazete exposto na sala de visitas com DEUS. PÁTRIA E FAMÍLIA. Ele então  me contou uma história que seus “guris” não podiam brincar com os demais do seu condomínio horizontal: “Fui tirar satisfação de um vizinho da direita da minha casa, e surpreso fiquei sabendo que era porque eu não tinha religião e respondi que jornalista é independente e se me pedirem para escrever contra ou a  favor de Cristo eu faria isso.” –  E não deu outra João, voltei aos cultos da Igreja Luterana e passei a exercer minha fé em Deus que Ele nunca me abandonou e na minha pátria pela qual morremos, na esperança e na família convivendo em paz. Finalizamos o “papo” para uma feijoada com feijão preto que levei. Pedi para ir no domingo à Igreja com ele, apesar de ser católico e devoto  em Nossa Senhora Aparecida, que os pescadores conheceram na  rede recolhida cheia de peixes e São Francisco de Assis, que o Papa beijou-lhe os pés, porque fazia o bem sem pensar em si, eu frequentava  as luteranas e adventistas porque faziam Propaganda do Pregador do amor e da paz.

*Publicitário e Jornalista

A PROPAGANDA VIVE DE GRANDES IDEIAS

*João Firme

Os pensamentos de Albert Einstein e Thomas Edson foram lembrados por Washington Olivetto na solenidade de sua posse como Patrono da Edição Extra do Festival de Gramado na cidade do México no dia 16 de outubro de 2008 e do 17º Festival Mundial de Publicidade de Gramado de junho de 2009. Outro evento da posse de Washington aconteceu no dia 30 de setembro de 2008 na Embaixada do Brasil.

Ele encantou empreendedores e publicitários com esta   afirmação: “Na propaganda, a imaginação supera a inteligência. O criativo tem mais ou menos 10% de imaginação(criatividade) e 90% transpiração (trabalho) e quem cria está idealizando.” E Olivetto disse mais: ” A ALAP-Associação Latino-Americana de Publicidade desenvolve uma grande ideia na América do Sul e Central na criação de uma identidade profissional na atividade publicitária.”

Por feliz coincidência, o embaixador Ivan Cannabrava, após ter empossado Clemente Câmara na presidência do Capítulo da ALAP do México, da Argentina, Colômbia, Costa Rica e Guatemala, deu este testemunhal: – Compartilhar, intercambiar experiências e conhecimentos com países-irmãos é uma prioridade para competir em um mundo globalizado.

E no final sublinhou na sua alocução que o Festival de Gramado é o mais importante evento de propaganda  no Brasil e tem o apoio do  Itamaraty.

*Publicitário e Jornalista

3º CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE PUBLICIDADE DE 2018

*João Firme

Sob o tema “o Conhecimento é a maior Herança”, a ALAP – Associação Latino-Americana de Publicidade, entidade de defesa de direitos sociais ligada à arte e à cultura, realizará em Porto Alegre, no Hotel Plaza São Rafael, o 3º Congresso Latino-Americano de Publicidade nos dias 24 e 25 de outubro de 2018. O evento tem como fim primordial: Educar para a Vida. Todos desejamos a paz e muitos a constroem todos os dias através da Propaganda, que é a essência da liberdade de imprensa.

No momento em que o Brasil passa a ocupar o país dos latinos que não podem realizar sonhos de viver nos EUA, a sociedade tem que aperfeiçoar-se a si mesma, até chegar a ser o modelo que as gerações futuras haverão de admirar. Nossos irmãos de Cristóvão Colombo e Simon Bolívar agora estudam mais português do que inglês, pois novos horizontes estão no Brasil e em Portugal, nosso irmão de igual cidadania.

Na Propaganda na América, somos copiados no CONAR, CENP, na Legislação Publicitária, Liberdade de Imprensa, Agronegócio, Produtividade, Qualidade, Cultura, Arte, na Sustentabilidade Ambiental e doravante, na nova Justiça do Trabalho que se voltou para os fatos sociais, atendendo aos anseios da sociedade.

Todos que colaboraram para a existência dessas ideias merecem nosso preito no 3º Congresso Latino-Americano de Publicidade, elevado empreendimento de igualdade, fraternidade, diversidade e superação da violência com responsabilidade social. Somos todos Propaganda.

*Publicitário e Jornalista

BANRISUL, O PRIMEIRO BANCO DA PROPAGANDA

*João Firme

Quem diria que como ex-bancário (trabalhei no Agrícola Mercantil na Rua da Praia como datilógrafo, deixando a instituição por ordem do psiquiatra), depois como líder sindical das agências de propaganda consegui a primeira Carta Patronal em 3l de março de 78, conforme a lei 4680/65. Tive que “pelear” como o Paixão Côrtes para abir conta no BANRISUL pois na época todos os Sindicatos e as Federações só podiam movimentar pela Caixa Federal e Banco do Brasil. Lembro de ter idealizado um artigo neste sentido e publicado no Jornal do Comércio.

Mas a história diz que reivindiquei o direito por ofício bem arrazoado ( aleguei a inconstitucionalidade da Normativa da Exclusividade) ao Ministério do Trabalho, que tinha como ministro o leopoldense Arnaldo da Costa Prieto e delegado regional, Celito De Grandi (que Deus os tenha nos céus), ambos competentes e ínclitos. Isto foi em 1981, quando chegou o despacho do ministro Prieto, autorizando as entidades sindicais a terem contas nos bancos estaduais. O Celito me ligou pela manhã, dando-me a informação, e já havia agendado audiência com o presidente Lemos, e à tarde fomos recebidos com alegria e champanha com a abertura da conta.

A ALAP-Associação Latino-Americana de Publicidade que nos foi presenteada pelo Chile, depois de 8 anos inerte em Santiago, comemora desde 3 de janeiro 30 anos de fundação no Brasil, com a primeira conta de entidade internacional de propaganda, design e digital.

O SINAPRO-RS, fundador da ALAP e da FENAPRO, que está no limiar dos seus 40 anos, é o primeiro a empunhar a bandeira Farroupilha para acreditar no Brasil e a investir no Rio Grande.

Somos todos Propaganda.

*Publicitário e Jornalista

MEU REINO POR UM CAVALO NA PROPAGANDA

*João Firme

Quando foi anunciado  no teatro da OSPA, nos anos  70, o  Meu Reino por um Cavalo, obra de Shakespeare, cai duro  ao ler  que os artistas seriam Paulo Gracindo e Clara Nunes, meus ídolos na juventude.

Por telefone falei com o empresário no RJ  para fazer a transmissão pelo Rádio  e consegui convencê-lo com o argumento que  muita gente poderia assistir e a bilheteria estava garantida e se isso ocorresse, a temporada dos grandes artistas seria mais rentável, pois a Propaganda patrocinando a transmissão derivaria um percentual para os artistas, para a OSPA e entidade filantrópica.

Deu certo e convencemos um patrocinador  que não sabia quem eram na história  cultural e da arte, Shakespeare, Bethoven, Di Cavalcanti, Cleópatra, Rei Salomão, Rei Davi, Rainha Vitória, Vila Lobos, e pasmei quando ele me disse que não sabia nada de Érico Veríssimo e de Mario Quintana, mas conhecia  poesias de Luiz Coronel porque era publicitário e havia pensado procurá-lo para lhe dar a conta.

A  Casa das Blusas era de um empreendedor de visão que  comprava bem em SP pagando à vista ou antecipado e por isso podia  vender por menor preço em Porto Alegre. O dono, Clovis Nunes, criou um departamento de roupas finas para as socialites de Porto Alegre e investia forte em desfile de modas em chás da tarde para obter fundo para o Instituto Santa Luzia  que realizávamos em Clubes Recreativos com a Rádio Itaí.

Sobre o patrocínio de Meu Reino por um Cavalo o resultado obtido pela Propaganda com o patrocínio foi surpreendente, com a venda de  todo o estoque e ganhei uma viagem à São Paulo para conhecer uma das indústrias de confecções que vendia para o cliente.

Mas os eventos culturais ou de artes conseguem às vezes publicidade  em  Tvs e Rádios, um dia ou dois antes das apresentações. Como apaixonado da nossa Sinfônica de Porto Alegre da qual fui associado contribuinte, fiquei perplexo ao ler um anúncio cortesia do Jornal do Comércio (coisa rara) que  teria um espetáculo gratuito no teatro do Jardim Botânico, atração verde da capital gaúcha, no dia 1°/10, às 18h e no programa tinha músicas de Bethoven.  Enlouqueci e pedi licença para minha mulher que me aguenta há 52 anos e me mandei para o Teatro, saciando minha saudade desde 87 quando ouvi algumas  músicas preferidas pela Sinfônica de Berlim que  veio à cidade de Paixão Cortes nas  comemorações dos 100 anos da Brahma, por sugestão da Arauto Publicidade (nossa ex- agência), que teve  a conta na Cristóvão Colombo onde está o Shopping Total e tem  a enorme Torre como Patrimônio Histórico Cultural e  é atração turística.

Como a Sinfônica de POA é do Estado do RS, o governo devia permitir que a Propaganda divulgasse suas apresentações pelo Rádio ou Televisão cobrando ingressos e esses revertidos para uma instituição filantrópica e porque não o Instituto Ver Hesíodo Andrade, a ONG da Propaganda que está necessitando de sede própria para atendimento gratuito em crianças com até 5 anos, evitando com sessões de estimulação e reabilitação a cegueira precoce. Outros espetáculos também poderiam ser divulgados pela Propaganda desde uma vez que fosse consentido pelos empresários avarentos e compreendessem que os resultados vão beneficiá-los (ele e o artista) e à sociedade que atua na responsabilidade social.

Somos todo Propaganda. Acredite no Brasil.

Encerro para que o Estado permita que a OSPA seja patrocinada pela Propaganda quando se exibir e que o dinheiro arrecadado  com a venda de ingressos seja revertido para uma ONG reconhecida. Outros espetáculos, poderiam ser patrocinados pela Propaganda em todos os Teatros no RS.

A própria ONG ajuda a Agência de Propaganda a encontrar patrocinador  da mídia, indicando empresas e instituições privadas que precisam reluzir a marca e praticar a responsabilidade social.

*Publicitário e Jornalista
alap@terra.com.br