ALAP | Associação Latino-Americana de Publicidade

Author: alap

DUAILIBI RECEBERÁ PRÊMIO HORS-CONCOURS EM PARIS

João Firme e Roberto DuailibiDuailibi (C) na entrega de sua Esfinge ao secretário-geral da ALAP, João Firme (E), no Festival de Gramado de 2017/Foto: Divulgação (ALAP).

Roberto Duailibi, fundador e presidente emérito da ALAP (Associação Latino-Americana de Publicidade), teve seu livro “Duailibi das Citações/Duailibi Essencial” inscrito pela agência associada EastSide23 Comunicação, através de seu Sócio-Diretor Eleno Mendonça. A publicação concorreria na categoria Cultura na Edição Extra do Festival Mundial de Publicidade de Gramado, em Paris, que será realizado em 21 de setembro na Embaixada do Brasil na capital francesa.

Mas o comitê da ALAP decidiu que o Troféu Galo de Gramado/Paris será hors-concours para Duailibi. O livro que concederá o prêmio é um phrase books de enorme relevância no mercado das comunicações para contribuição social e cultural, com a consequente premiação na próxima edição internacional do Festival de Gramado, na França. Roberto Duailibi, um dos maiores publicitários do Brasil, tem, ao longo de sua carreira, se doado e oferecido contribuição a todos os movimentos que fomentam a boa propaganda brasileira. “É um entusiasta, escreveu também ‘Cartas a Um Jovem Publicitário’, ‘Ideias Poderosas – Negócios, Criatividade e Marketing’. Portanto, trata-se de um pleito que considero bastante justo e relevante”, justificou Eleno Mendonça, responsável pela inscrição e indicação.

O presidente do júri online do Festival em Paris é Hugo Rodrigues, CEO e Chairman da WMcCann Brasil. As inscrições para peças de propaganda de responsabilidade social estão abertas no site da ALAP até dia 31 de agosto em www.alap.com.br, onde consta o regulamento e a ficha de inscrição. 

PROPAGANDA E A JUSTIÇA SOLIDÁRIAS AOS INSTITUTOS DO CÂNCER INFANTIL E VER

Aconteceu no dia 28 de abril, ao meio-dia, no Centro de Eventos Laçador em Porto Alegre, mais uma edição do Encontro do Bem, um Show de Solidariedade aos Institutos do Câncer Infantil e Ver Hesíodo Andrade, movimentos pioneiros na América Latina dos médicos gaúchos Algemir Brunetto e Rosane Ferreira respectivamente, referências da Organização Mundial da Saúde que prioriza a cura ou a redução do câncer infantil e da cegueira precoce.

20180428_133636-2

​Na foto, o comunicador Lauro Quadros (com o microfone) elogia o Dr. Algemir Brunetto, Oncologista internacional, idealizador do Instituto do Câncer Infantil que atende gratuitamente cerca de 2 mil crianças, sendo 80% do interior do RS; Sulamita Santos Cabral, presidente do Instituto dos Advogados do RS, homenageada por João Firme (de pé) em nome da ALAP (Associação Latino-Americana de Publicidade) e do Instituto Ver como Comunicadora Jurista da Liberdade de Imprensa e do Bem.

Apresentou o Encontro do Bem o publicitário Dorotéo Fagundes, comunicador, conselheiro do Instituto Ver e presidente do Instituto Cavaleiros Farroupilhas, criador do projeto social ambiental “Não Deixem Morrer meu Rio”, premiado Hors Concours na Edição Extra do Festival de Publicidade de Gramado em Paris, agendado para o dia 21 de setembro na Embaixada do Brasil na Cidade Luz.

Lauro Quadros salvou mais vidas do que a maioria dos médicos, enaltece Algemir Brunetto

Em sua palestra, o presidente do Instituto do Câncer Infantil, Algemir Brunetto, salientou a inspiração em uma instituição da Inglaterra para a criação do ICI em 1991 e exaltou a importância de Lauro Quadros, considerando a participação do comunicador decisiva para o futuro êxito de sua ideia, tanto que Brunetto destacou a dificuldade de entrar em contato com o jornalista, que vivia então seu maior momento como jornalista no começo da década de 90, sendo um dos apresentadores do “Jornal do Almoço” na RBS TV. “Quando convidei o Lauro, vivia uma fase intensa da vida profissional, e conseguir uma hora marcada com ele era muito difícil”, recordou.

Brunetto contou que o futuro instituto precisava de 1 milhão de dólares para construir um Centro de Excelência para atender as crianças com câncer, permitindo melhores chances de cura. Mas eram tempos difíceis, com o Plano Collor em pleno vigor. “Havia certo descrédito, mas a gente acreditava. Transmitimos a mensagem, compartilhamos o sonho e as pessoas começaram a se aproximar e nos ajudar, sob a liderança do Lauro Quadros”, destacou o médico oncologista, que, junto com o comunicador, visitou as maiores empresas do Rio Grande do Sul, pedindo 10 mil dólares a cada uma. “Não sei como o Lauro conseguia tempo, pois ele estava no auge da carreira”, acrescentou, completando que, das 100 empresas procuradas, 96 delas doaram 10 mil dólares. “Lauro Quadros salvou mais vidas do que a maioria dos médicos”, exclamou Algemir Brunetto, recebendo os aplausos dos presentes.

Incentivado por João Firme, Lauro Quadros contou como ele e Brunetto completaram a “Estrada dos Tijolinhos Amarelos”, no instante em que faltavam 140 mil dólares para atingir a meta. A agroindústria Avipal já havia doado anteriormente 20 mil, ou dois tijolinhos nas palavras de Lauro, mas foi visitada novamente. “Nos receberam, contamos de nossas dificuldades. Os diretores da Avipal se entreolharam, pensaram 30 segundos e disseram: ‘não vamos doar nem 10, nem 20, nós vamos doar os 140 mil’”, recordou, emocionado. Para o jornalista, dois fatores foram preponderantes para o sucesso da instituição. “O primeiro é a credibilidade. Quando fomos nas empresas, não tínhamos um tijolo pra mostrar, e eles acreditaram. E o segundo é a ausência do protagonismo, a gente não faz pra aparecer. É muito mais gratificante dar do que receber”, finalizou o comunicador.

A grande maioria das pessoas é solidária, elogia Sulamita Santos Cabral

Representando a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), a advogada e presidente do IARGS (Instituto dos Advogados do Rio Grande do Sul), Sulamita Santos Cabral, considera que a grande maioria da população faz o bem, procurando diminuir a dor do mundo com a solidariedade. “A OAB não se preocupa somente com os advogados, e sim com a cidadania”, completou Sulamita, sempre sorridente.

Na sequência do Encontro do Bem, João Firme, antes de entregar o Preito de Homenagem “Mérito da Responsabilidade Social e do Bem” concedido pelo Instituto Ver presidido por ele, declarou ter convivido com dois cânceres, mas chegado aos 83 anos de idade graças à medicina. E não deixou de enaltecer a importância da Propaganda em todas as áreas. “Eu tenho dois nortes: a Ética e o Social. Apareceu o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), que firmou um convênio conosco pedindo que nós divulgássemos e conscientizássemos as entidades que fazem o bem através de projetos sociais, mas que a sociedade não conhecia pela falta de Propaganda”, disse o publicitário.

Apenas 14% das crianças atendidas pelo ICI residem na capital gaúcha

O Centro de Excelência do Instituto do Câncer Infantil funciona no Hospital de Clínicas e hoje atende 2 mil crianças, das quais apenas 14% delas são de Porto Alegre, com a grande maioria dos pacientes sendo do interior gaúcho e de outros estados. O ICI promove eventos como a Corrida pela Vida, que ocorre desde 1995, além de firmar parcerias com o Hospital Conceição, Hospital São Lucas da PUCRS, e mais centros pediátricos de cidades como Passo Fundo e Caxias do Sul. O Instituto ainda fornece programas de assistência de determinadas doenças que se expandem para os principais centros da América do Sul, como Uruguai, Argentina e Chile, que realizam tratamentos seguindo os protocolos com coordenação do ICI.

Texto: Marco Maciel e João Firme

Foto Jane Castro

PROJETOS SOCIAIS SERÃO DESTACADOS NO FESTIVAL DE PARIS

Fagner_Marketing_200X266-1

João Firme, secretário-geral da ALAP, diz que anúncios de projetos sociais como este da Fundação Fagner é o que o BID quer desde 2005. “Nas cidades da América Latina temos inúmeros projetos de responsabilidade social para a comunidade conhecê-los através da Propaganda”, afirma Firme. As inscrições para a Edição Extra do Festival de Publicidade de Gramado, em Paris, estão sendo feitas até 31 de agosto nos sites: www.alap.com.br; Instituto do Câncer Infantil, www.ici.ong e Instituto da Criança com Diabetes: www.icdrs.org.br. O Instituto Ver Hesíodo Andrade também será beneficado pelo e www.institutover.org.br.

Os premiados poderão receber seus troféus e Menções Honrosas no Festival de Gramado no dia 21 de setembro à tarde, na Embaixada Brasileira da capital francesa, ou no 3º Congresso Latino-Americano de Publicidade no da 25 de outubro, às 18h, no Plaza São Rafael Hotel, quando serão reapresentados os premiados da Edição Extra. “O terceiro setor é de responsabilidade da sociedade e a Propaganda dá transparência e ajuda no desenvolvimento dos projetos”, atesta João Firme.

As Edições Extras do Festival Mundial de Publicidade de Gramado sempre ocorrem em anos pares. Desta vez, será em Paris, onde aconteceu a primeira edição do evento, em 2004, na Embaixada do Brasil. João Firme, secretário-geral da entidade diz que serão muitas as novidades da edição, começando pelo prêmio Hors Concurs que destacará:

teixeirinha

– A música “Querência Amada” cantada por Teixeirinha Filho, Patrono do Instituto Ver (acima com Teixeirinha Neto);

– No Meio-Ambiente, a iniciativa “Preserve a Natureza” de Ian Risley, presidente do Rotary Internacional e o “Não Deixe Morrer meu Rio” do nosso companheiro Rotariano, Dorotéo Fagundes, do Rotary Club Porto Alegre São Geraldo;

– Na Cultura tem o livro “Lágrimas de Combate” de Brigitte Bardot; o livro “Dicionários” do publicitário e poeta Luiz Coronel; obras do Simões Lopes Neto em francês inscrito por Dorotéo Fagundes , conselheiro do Instituto Ver; Jurandir Machado, pela sua matéria “Minha Vida em Paris”; o projeto “Centro Vita” de Sergio Zambiasi, Jornada Literária da Universidade de Passo Fundo, o Programa “Galpão Crioulo”, “Jornal Nacional” da Globo e “Parceiros Voluntários”, programa na BAND, premiados em 2008 pela ALAP México;

– Projeto social para Redução da Violência nas Escolas, da Primeira-Dama Maria Helena Sartori, do Gabinete de Políticas Sociais; Projeto da Fundação Banco de Olhos em Goiânia do publicitário e ex-diretor internacional do Lions, Zander Campos os projetos; “O Rio Grande que dá Certo” da Bandeirantes; “Criança Esperança”, Globo; “Marcas de quem decide” do Jornal do Comércio; “Exposição dos Financiados da Aliança para o Progresso” dos formandos de Propaganda da FAMECOS de 1965, com suplemento de Zero Hora encartado na Última Hora no dia 30 de dezembro de 1965; Instituto da Criança com Diabetes, Instituto do Câncer Infantil, o projeto Teste do Olhinho da Dra. Rosane da Cruz Ferreira e o Instituto Vida Solidária, da AMRIGS; Liberdade de Imprensa nos jornais centenários, projeto de divulgação em 2015 da Agência De Brito; Prevenção às Drogas da Cruz Vermelha; valorização do idoso na sociedade pelo BID: Propaganda de Bem Público premiado em Havana e idealizado pela agência Centro América;  Projeto de Assistência Médica às crianças publicitárias e jornalistas com o Pronto-Socorro Infantil em troca de anúncios do Correio do Povo no fim dos anos 60; Projeto Bancomark desenvolvido por Paulo Di Vicenzi da Qualidata, que permite o registro com anterioridade da autoria de criações gratuitamente por seis meses, com emissão do certificado na hora em português, espanhol ou inglês.

– Projeto de saúde e atendimento médico gratuito para 3 mil publicitários pertencentes ao Sinapro e jornalistas da ARI. Projeto da década de 60 e 70 que durou 10 anos permutado em centímetros com o Jornal do Comércio e em spots com a Rádio Pampa.

“Estas são as primeiras premiações Hors Concurs”, finaliza João Firme.

A PROPAGANDA, A ECONOMIA INTERATIVA E A QUÂNTICA

1497344966_safeweb

Luiz Carlos Zancanella, presidente da Safeweb.

*João Firme

Ultimamente venho me preparando para defender uma tese no 3º Congresso Latino-Americano de Publicidade nos dias 24 e 25 de outubro em Porto Alegre, para que os comunicadores tenham empregos e, o governo, arrecadação de impostos para as obras sociais.

Leio que a economia interativa está mudando tudo com as compras e vendas por aplicativo e a quântica com a certificação digital interferindo na inteligência, antecipando-se até na matemática.

Vaticino que os meios de comunicação, antenas de rádios, torres para sinais, celulares vão desaparecer, ficar na lapela como o Galinho de Gramado criativo “louco” idealizou. E os juristas terão que mudar de profissão, pois jurisprudências, acórdãos, súmulas e enunciados estarão num botão, disse num programa de TV o professor catarinense, especialista em computação, Luiz Carlos Zancanella (foto acima).

Na medicina, a Quântica vai atuar forte e já existe estudos adiantados transformando a vida das pessoas. Há poucos dias, Rosane Ferreira, oftalmologista e pediatra, pesquisadora e cientista da Organização Mundial da Saúde, fundadora e responsável técnica do Instituto Ver, deu uma declaração fantástica: “Tem muitas crianças que estão sendo clinicadas erroneamente como autistas, quando na verdade precisam só de óculos.” Se a visão se forma no cérebro e estudos concluem doenças oculares, é a ciência da Quântica sendo aplicada.

A física nos deu a bomba atômica e eu, como guri aos 14 anos no ginásio em Santa Rosa, tive um professor de geografia russo de nome Henzel que se opôs à explicação que ele deu em aula sobre Oásis, me respondendo que tratava-se de um milagre divino. E lhe disse que consultaria um professor de Física. No dia seguinte, meu pai foi chamado e o “paizinho” russo colocou à disposição uma bolsa de estudos em Moscou.

Mas o convite foi rechaçado porque eu era necessário para ajudar meus quatro irmãos vendendo “pé de moleque” para soldados do Quartel do Exército do berço nacional da soja.

E tudo isso aconteceu porque a Quântica me despertou.

————————————————-

Que maravilha de entrevista com o cientista da Computação Quântica, Luiz Carlos Zancanella, diretor-presidente da SAFEWEB.

A computação quântica existe em vários aspectos. Física quântica e  química quântica. A computação quântica vem como um poder computacional inimaginável, vai transformar nossa computação atual numa outra mil vezes acima que está fazendo hoje. Esse poder computacional extraordinário que permite você desenvolver a inteligência artificial. Isso vai afetar principalmente as profissões que dependem essencialmente de consulta de dados. Profissões que envolvem conhecimentos históricos e registrados vão ser afetadas.        

Uma área jurídica tem relação bastante direta porque é uma consulta de leis e uma tomada de decisão partida do conhecimento já definido no banco de dados, na área médica também. Nesse aspecto, a computação quântica vai trazer um impacto muito grande nessas áreas. Há previsões que a profissão de advogado tende a desaparecer no futuro. É o que eu vejo nas discussões internacionais, não é a minha previsão, não é minha premonição.

É uma idéia que as novas tecnologias, a computação quântica, a física quântica, a química quântica, elas vão eliminar em torno de 30% a 40% das profissões que existem hoje até o ano 2050, ou seja, não vão mais existir essas profissões, sendo substituídas pela inteligência artificial e pelos novos recursos. Isso na questão da área jurídica.

Na questão da matemática, certamente vai ter a possibilidade de fazer cálculos que hoje só são viáveis em supercomputadores e hoje dará para fazer em computadores menores. Isso vai acelerar o processo do conhecimento científico em cima da matemática, porque você vai conseguir ter mais resultados na hora, imediatos. Vai ser um impacto muito grande.

A quântica está muito associada ao nível subatômico da matéria, do átomo. Nesse nível, as coisas acontecem com uma velocidade muito grande e nível de ocupação de espaço e memória muito pequenos, conseguindo produzir aí informações grandes, acelerando o processo. Desce no nível quântico, para a nanotecnologia. Ela vai fazer uma transformação muito grande na sociedade, nada mais é que o uso da física quântica.

Você por exemplo pode mudar a cor da janela, da parede apertando um botão. Você atua num nível subatômico em cima da matéria, e não no nível atômico que é o que a gente faz hoje.

Outra coisa que será revolucionária será a rapidez da comunicação, que será extraordinária. No nível subatômico, quântico, o volume de informações que você conseguirá manipular de um lado para o outro será muito maior. Eu preconizo que não haverá mais meios de comunicação no mundo.

Não haverá mais temas de rádio, fibra ótica até talvez tenha, mas o meu corpo é que vai transmitir informações para chegar em você mesmo, a informação vai estar na sua pessoa. O celular vai deixar de existir porque você vai apertar um micro botão na sua camisa pra falar e ouvir, a visualização da informação também pode estar no seu óculos, imagino a Microsoft fazendo isso.

 Na pesquisa da informação, você vai pensar no que quer e vai aparecer na sua frente.

Tem uma perspectiva de uma revolução muito grande nos próximos 20 ou 30 anos na ciência. No momento em que você ligar o seu cérebro a uma base de dados inteligentes, todo mundo terá a mesma inteligência e capacidade.

A Propaganda ética e social não vai desaparecer, pois é eterna por Deus.

*Publicitário e Jornalista

GOVERNADOR SARTORI RECEBE CONVITE PARA HOMENAGEM EM PARIS

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL 17.04.2018: O governador José Ivo Sartori recebeu na tarde desta terça-feira, 17, a diretoria da Associação Latino-Americana de Publicidade (ALAP) e do Instituto Ver Hesíodo Andrade. O presidente João Firme de Oliveira e a fundadora da ONG, Rosane da Cruz Ferreira, entregaram o convite para inaugurar e ser homenageado na edição extra do Festival de Publicidade de Gramado em Paris. O evento, que a cada dois anos acontece fora do Brasil, será no dia 21 de setembro, na embaixada brasileira, localizada na capital francesa. A homenagem acontece em virtude de pesquisa realizada pela ALAP com seus representantes, onde Sartori obteve o primeiro lugar como o governador que mais realizou esforços pelo seu Estado. Estiveram presentes, ainda, os secretários Cleber Benvegnú e Isara Marques, o poeta Luiz Coronel, Dorotéo Fagundes, Jair Meneghetti, Jerry Pedroso e Jane Castro, do conselho da ONG e da associação. Foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini

O governador José Ivo Sartori (PMDB) recebeu, no dia  17 de abril, as diretorias da Associação Latino-Americana de Publicidade (ALAP) e do Instituto Ver Hesíodo Andrade. O fundador de ambos é o publicitário e secretário-geral da ALAP, João Firme de Oliveira, que também é presidente da ONG Instituto Ver. Marcou presença também a fundadora do IVER em 2007, Rosane da Cruz Ferreira, médica oftalmologista e pediatra, pesquisadora e cientista da Organização Mundial da Saúde que desenvolveu o Teste do Olhinho. O Governador Sartori foi homenageado com o Mérito da Responsabilidade Social, pelo apoio que vem recebendo para que o Instituto Ver continue atendendo gratuitamente crianças portadoras de doenças congênitas da visão evitando a cegueira precoce.

VONTADE DE REERGUER ESTADO DO RS DEU PRÊMIO DA PROPAGANDA

Sartori recebeu o convite para inaugurar e ser homenageado na Edição Extra do Festival de Publicidade de Gramado em Paris. O prêmio foi fruto de uma pesquisa realizada em agosto pela ALAP com seus representantes em cada capital brasileira sobre esforços de governadores para saírem da crise financeira e o governador gaúcho foi o mais citado e ficou em primeiro lugar. O evento, que a cada dois anos acontece fora do Brasil, será no dia 21 de setembro, na embaixada brasileira, localizada na capital francesa.

ALAP

Estiveram presentes na solenidade no Palácio Piratini, os secretários Cleber Benvegnú (Casa Civil) e Isara Marques (Comunicação); o poeta e publicitário Luiz Coronel, fundador e presidente honorário da ALAP; Dorotéo Fagundes, premiado em Paris pelo concurso Não Deixem Morrer meu Rio, que apresentará fotografias humanizadas dos rios gaúchos e do Mercosul); além de Jair Meneghetti, Jerry Pedroso e Jane Castro, voluntários da diretoria do Instituto Ver Hesíodo Andrade, que tem sede provisória na rua Correa Lima, 1908, no Morro Santa Teresa, na agência Martins+Andrade; e os representantes da Brasmédica, Sandro Pires, Tiago Dutra Pereira e Darci Armando Pereira.

Fotos: Luiz Chaves/Palácio Piratini

SINAPRO-RS É HOMENAGEADO PELOS SEUS 40 ANOS

29871624_572382189806235_5497616520830639633_o

O Período de Comunicações da sessão ordinária no dia 2 de abril, na Câmara Municipal de Porto Alegre, foi dedicado ao transcurso dos 40 anos de concessão da primeira Carta Sindical Patronal de Agências de Propaganda, expedida no dia 31 de março de 1978 para o Sindicato das Agências de Propaganda do Rio Grande do Sul (Sinapro-RS), a primeira do gênero a operar no Brasil, conforme a Lei 4.680/65. Desde a assinatura da Carta Sindical Patronal de Agências de Propaganda no Brasil em 31 de março de 1978, a entidade realizou diversas ações que marcaram a história do Propaganda no País e também fora dele.

Na oportunidade, os vereadores receberam o presidente do Instituto Ver Hesíodo Andrade e secretário-geral da ALAP (Associação Latino-Americana de Publicidade), João Firme de Oliveira; o presidente do Sinapro-RS, Fernando Silveira; o presidente do Conselho de Administração da ALAP, Airton Rocha; e os jornalistas Lauro Quadros e Dorotéo Fagundes.

29664902_572382546472866_3317907734094218778_o

Em nome da Mesa Diretora, o presidente da Câmara, Valter Nagelstein (PMDB), falou da alegria de celebrar a existência da entidade sindical. Para ele, o sindicato é um ponto de convergência, no qual se encontra o jornalismo, a democracia e a liberdade. “E a propaganda faz parte disso, pois é o vetor que alimenta este processo”. De acordo com o vereador, mesmo que às vezes o processo seja submetido a interesses circunstanciais, a propaganda tem seus próprios instrumentos e se faz essencial.  Ao destacar que o Sinapro-RS é a primeira instituição a receber a carta sindical no Brasil, Nagelstein disse que foi o avanço de um setor muito importante. “O Rio Grande do Sul foi precursor nisto e em outras áreas. A primeira transmissão em cores na TV brasileira foi da Festa da Uva em Caxias do Sul”, lembrou. A criação do Festival Mundial de Publicidade de Gramado nos anos ímpares (desde 1975) também foi mencionada por ele, que, em sua observação, é um evento que organiza e centraliza todas as forças do setor. No restante de seu pronunciamento, Nagelstein falou da importância da liberdade de opinião, de crença e de expressão na democracia, convergindo a comunicação e a liberdade. “Que estes 40 anos do protagonismo [do sindicato] sirvam de exemplo à sociedade”, disse.

“Sindicato pioneiro que muito nos orgulha”, falou Mônica Leal (PP), também manifestando sua admiração pelo trabalho da instituição. Conforme a vereadora, a entidade tem um trabalho realizado de forma organizada que contribui para o desenvolvimento da área publicitária gaúcha. A constante atualização e a forma de atuação do sindicato também foram pontos destacados por ela, que ressaltou a importância de manter a qualidade dentro dos princípios da ética e do respeito com transparência.

Para Idenir Cecchim (PMDB), muitas vezes a Câmara tem a oportunidade de homenagear pessoas que fazem o bem para a cidade. No entanto, hoje a Casa homenageou homens que não se preocupam apenas com o setor da propaganda, mas também que ajudam outras instituições de trabalho social. “São vencedores pelo coração e pela alma”, disse, ao parabenizar os presentes homenageados por todos os anos em que estão em atividade.

Agradecendo o reconhecimento da Câmara, Fernando Silveira, presidente do Sinapro-RS, fez um resgate de momentos históricos do Sindicato e das lutas em torno da causa. Como sendo a primeira entidade do ramo a atuar no país, Silveira contou que os demais estados brasileiros passaram a seguir o mesmo caminho da organização. A busca pela reinvenção do setor foi outro ponto destacado por ele, que acredita que as transformações do campo da comunicação impactam o mercado. “Atualmente, planejar, criar e operacionalizar já não são suficientes”, disse em relação ao atendimento de clientes. Segundo Silveira, a tecnologia – como ferramenta digital – possibilitou mais canais para área. O presidente do sindicato ainda frisou algumas funções da entidade, como assessoria jurídica e demais conteúdos relacionados à gestão. “Nossa missão é fazer com que as agências mergulhem em seus negócios e conquistem cada vez mais seus clientes”, citou Silveira, mencionando a importância da tecnologia para a expansão das oportunidades no setor.  O Sinapro-RS atua em mais de 200 editais públicos, com entorno de 80 associados.

30052486_572382009806253_6919861501942693767_o

Após a entrega do diploma alusivo à homenagem, o jornalista Doróteo Fagundes afirmou ser um momento oportuno para a comunicação, através da publicidade e propaganda. Ele aproveitou para noticiar que a ALAP voltará a realizar a Edição Extra do Festival Mundial de Publicidade de Gramado, em Paris, em 21 de setembro na Embaixada do Brasil. A primeira edição extraordinária ocorreu em 2004 na própria capital francesa. Dentre os diversos homenageados no festival, Fagundes anunciou que o Legislativo de Porto Alegre receberá, em Paris, o Galo de Gramado, devido à lei municipal que prevê o Teste do Olhinho, exame clínico parte da triagem neonatal para diagnóstico de catarata e glaucoma congênitas. A lei se originou de um projeto do vereador Aldacir Oliboni (PT), aprovado e sancionado pelo então prefeito José Fogaça (PMDB) em julho de 2007, sendo a primeira lei do gênero no Brasil, conforme as normas da Organização Mundial da Saúde adotadas pela Dra. Rosane da Cruz Ferreira, médica oftalmologista e pediátrica, pesquisadora e cientista do Teste do Olhinho, fundadora e responsável técnica do Instituto Ver Hesíodo Andrade, que está funcionando no atendimento gratuito de crianças com até 10 anos com sessões de estimulação e reabilitação visual para evitar a cegueira precoce, na rua Correa Lima, 1908 na agência Martins+Andrade e, após a Lei Municipal, 22 crianças não ficam cegas em Porto Alegre, representando uma economia para o município em torno de 20 milhões de reais.

A ALAP (Associação Latino-Americana de Publicidade), presidida por Airton Rocha e que tem João Firme de Oliveira como secretário-geral, foi uma das criações significativas ao decorrer destes 40 anos de Sinapro destacadas pelo presidente Fernando Silveira. Junto com a ALAP, o Festival Mundial de Publicidade de Gramado reúne, nos anos ímpares na cidade gaúcha, representantes renomados para debater o cenário da Publicidade e Propaganda dentro da comunicação nacional e internacional. Nos anos pares, acontecem edições extras pelo mundo desde 2004.

Texto: Munique Freitas (CMPA), Marysol Cooper (Jornal O Sul), Marco Maciel (Instituto Ver e ALAP) e Claudete Barcellos (CMPA)

Fotos: Elson Sempé Pedroso (CMPA)

EVENTO DEBATE CAMINOS PARA AMERICA LATINA – por Carolina Hickmann

El primer día del 31º Foro de la Libertad trató de temas contemporáneos que impactan a la economía brasileña, como el de la economía brasileña, corrupción y sus posibilidades de enfrentamiento. Durante la apertura del evento, el presidente del Instituto de Estudios Empresariales (IEE), Julio César Lamb, destacó que el tema del coloquio este año es La voz del cambio, y está directamente ligado a la idea de elaborar soluciones que encaminen a la sociedad mejores prácticas.

 Por el entendimiento de Lamb, la actual coyuntura político-económica es favorable a cambios significativos en los rumbos que el país venía siguiendo. “Si las decisiones equivocadas se tomaron antes, necesitaremos tomar medidas acertadas en adelante”, propone el presidente, al evidenciar que ideales de libertad, precepto seguido por el IEE, transmite confianza no sólo al mercado, sino también a los individuos.

 Durante la tarde, cuestiones como el futuro del Mercosur y la similitud entre las dificultades político-económicas de los países que componen América Latina se discutieron en la exposición sobre “Un nuevo trayecto hacia América Latina”, que contó con la presencia del abogado y ex-presidente de Bolivia, Carlos Otero, además de mediación del director de relaciones institucionales del IEE y Foro de la Libertad, Pedro De Cesaro.

 Gomes recordó que el bloque conocido como Mercado Común del Sur, en realidad, “no tiene nada en común”. “Para la constitución de un mercado común, de hecho, necesitaría sólo una normativa autorizando la medida, lo que tenemos es una serie de normas de exportación, con cuotas y aranceles”, enfatiza. La falta de este entramado, evalúa, contribuye a la mirada brasileña hacia Estados Unidos y Europa, lo que dificulta el entendimiento del contexto de los países de América Latina, que a su vez son bastante similares.

 Las similitudes entre los países de América Latina también fueron destacadas por Carlos Mesa. El ex presidente dijo, incluso, que las dificultades encontradas actualmente en estos países son bastante similares a las relatadas años atrás, tras gobiernos que se propusieron cambiar este escenario. “Todavía tenemos hambre, todavía tenemos mala distribución de riquezas y, nuestro flagelo universal, que es la corrupción”, destaca. La Mesa atribuye las desviaciones realizadas por gobiernos latinoamericanos que, hoy, culminan en grandes escándalos, están ligados al populismo implementado en diversos países de América Latina. El presidente de Brasil, Luiz Inacio Lula da Silva, es un punto importante de la historia latinoamericana, ya que, en su evaluación, las dos principales economías de la región son Brasil y México. “Ustedes pueden encontrarse pequeños, pero si ustedes están mal, nosotros, los menores en tamaño, también estamos”, dijo.

 El CEO de El Nacional de Venezuela, Miguel Otero, exiliado en España desde 2015, también cree que el populismo es el “gran fantasma” de esta época. “Él tiene como base la corrupción y los partidos políticos que pierden la conexión con su base y sus ideas al llegar al poder”, relata.

La nueva constitución y el menor control estatal se defendieron en la apertura

 En la ceremonia de apertura del Foro de la Libertad, fue presentada por el Instituto de Estudios Empresariales (IEE) una propuesta de una nueva Constitución Federal Liberal. “Tantas enmiendas se contabilizan porque gran parte de la política nacional es instrumentada a través del texto constitucional. En vez de utilizar leyes, los gobiernos utilizan la ley máxima nacional como instrumento para materializar sus programas políticos, alimentando, alargando y perpetuando la inestabilidad constitucional “, explicó Júlio César Lamb, presidente del IEE.

 Según Lamb, la Constitución defendida por el IEE es de acuerdo con los principios liberales, probados y consagrados por el tiempo en la experiencia política de las naciones. “Significa cosechar el aprendizaje y la evolución que la historia ha permitido a tantos países. Esa es la ambición que tenemos, y el proyecto que ahora se inicia. Escribir una Constitución para Brasil del futuro, el país libre en que las nuevas generaciones podrán prosperar. Una Constitución liberal, cosechando lo mejor de nuestra tradición y deshaciendo errores del pasado -no por vendetta o desprecio, sino por convicción en el futuro “, aclaró.

 Agraciado con el Premio Libertas, Carlos Biedermann agradeció la premiación criticando el paternalismo brasileño. “Recibir esa premiación, en un país de gran tradición intervencionista, es casi un acto de guerra”, dijo, destacando que las dificultades económicas del país se debe a la intervención del estado, que no administra bien los recursos. El ex presidente del IEE y consultor en gobierno corporativo, recordó que integró al equipo que ideó la propuesta del Foro de la Libertad, y que el evento debe seguir proponiendo discusiones y buscando el debate de ideas en todos los frentes. “Quien debe comandar el estado es la sociedad”, dijo. El Premio Libertas es concedido a los emprendedores que se destacan en el trabajo por la valorización de los principios de economía de mercado y de respeto al Estado Democrático de Derecho.

 Con el Premio Libertad de Prensa, Miguel Otero, CEO del diario El Nacional, de Venezuela, habló de la lucha contra la dictadura venezolana y la necesidad de la prensa libre. “Hay que luchar contra la dictadura, sea cual sea”, dijo, citando que existen diferentes tipos de políticas controladoras “Las dictaduras, en cualquier época y lugar, quieren aniquilar a los medios de comunicación libres”, apuntó. El Premio Libertad de Prensa es conferido a los profesionales que preconizan la libertad de prensa y que se dedican al desarrollo del pensamiento crítico.

Jornal do Comércio – Brasil – 10/4/2018

A PROPAGANDA E OS MINISTROS DO SUPREMO E DO TST

R7 BSB DF NACIONAL STF/EMBARGOS INFRIGENTES Ministra, Rosa Weber participa da segunda parte da sessão no plenário do STF, para analise dos recursos de crimes de lavagem de dinheiro, dos condenados no processo do mensalão, em Brasília. 27/02/2014. FOTO:DIDA SAMPAIO/ESTADAO

O dia 4 de abril de 2018, nesses tempos de longevidade que Deus me deu, entrou na minha história na Propaganda, minha paixão profissional. Fiquei atento à votação de Habeas Corpus para um ex-presidente e lembrei que, nessa casa máxima da Justiça, o SINAPRO-RS – quando eu era presidente nos anos 90  – obteve a primeira Súmula julgando inconstitucional a cobrança do CONFINS, o que beneficiou de imediato cerca de 100 agências que entraram na ação coletiva. Mas o que mais me surpreendeu foi a Ministra Rosa Weber, que votou pela condenação porque esta era a vontade do colegiado.

Recordo que, quando era Juiz Classista do TRT 4ª Região, a nossa Ministra Rosa Weber, de inteligência rara considerada por mim e os juízes concursados (meus colegas da 5ª Turma), me perguntou o motivo pelo qual, na categoria de Publicitário, havia enormes diferenças salariais e respondi que na Criação das Agências é onde se encontram Talentos e as multinacionais, quando os descobrem, oferecem salários altíssimos e ela ficou refletindo.

Entrei na Justiça do Trabalho depois que fiz uma campanha de propaganda de valorização da AMATRA – Associação dos Magistrados do RS, e fui convidado pelo Juiz Ronaldo José Lopes Leal, então presidente da associação referida, para entrar como classista dos empregadores. Gostei do desafio porque escrevia muito sobre direitos comparados da propaganda e da liberdade de imprensa e aceitei o convite. Fiquei pouco tempo na 7ª Junta, logo ingressei para o TRT e depois fui nomeado pelo presidente José Sarney e pelo Ministro da Justiça, Saulo Ramos, este construtor do CONAR e das Câmaras com o qual aprendi quando era convocado como Presidente do Sindicato das Agências de Propaganda do RS.

No Tribunal, me encontrei com os Juízes Gelson de Azevedo, Nestor Hein e o saudoso Antônio Firmo de Oliveira Gonzales, classista dos empregados e então presidente da Associação Riograndense de Imprensa, ferrenho defensor, com o Alberto André, da Liberdade de Expressão. Passamos a ser conhecidos por todos como os juízes da mídia, juntamente com o presidente do TRT que era o Juiz Ronaldo José Lopes Leal, mais tarde aposentado como presidente do Tribunal Superior do Trabalho.

E continuo acreditando que só a Justiça corrige os males da Política, que é necessária para vivermos em democracia.

Quero trazer à memória o que me pode dar esperança. (Lamentações 3:21)

*Publicitário

Foto: Dida Sampaio/Estadão

1701469