História

ALAP – UMA HISTÓRIA DE 40 ANOS

Em 1978, um júri realizou-se em Montevidéu para julgar os anúncios patrocinados pelo jornal El País.

Eu participei em nome do Brasil, em nome da ABAP – Associação Brasileiro de Publicidade – onde eu era secretário de Rio Grande do Sul, juntamente com Hugo Zuliane, presidente da Associação Argentina de Agências de Publicidade e Rafael Gatti, presidente da Associação Uruguaia de Agências de publicidade.

O Presidente El País disse que nós, as agências pequenas e médias empresas, tivemos que ficar juntos uma entidade para lidar com a troca de informações de mercado oferecido por multinacionais na América Latina e escritórios para os clientes. foi sugerido para incluir este item na agenda do Primeiro Congresso Latino-Americano de Publicidade, anunciado em novembro de 1979 em Santiago de Chile, organizado pela Associação Chilena de Agências de Publicidade eo jornal El Mercurio. Aceitamos a proposta e auto El País escreveu ao presidente do Congresso, sugerindo introduzir na agenda a fundação da Associação Latino-Americana de Publicidade – ALAP – e enviei o meu currículo. A sugestão foi aceita e fui convidado para dar uma palestra em espanhol sobre a constituição de Associações Profissionais. Minha formação acadêmica é em Jornalismo, Propaganda, Relacionamento e Direito, no entanto, os cursos de Publicidade e Relacionamento foram interessantes para os chilenos. Eles tiveram que convencer Pinochet a autorizar esses cursos na Pontifícia Universidade do Chile (PUC). Eu me preparei, praticar espanhol com o cônsul do Chile em Porto Alegre, e acabou fechando o evento em um painel teve a participação de Pedro Marcet, presidente da Associação Americana de Publicidade, que então passou a fazer outra grande evento para o mercado Festival Internacional de Publicidade Ibero-Americana – FIAP.

Eu estava comigo, Roberto Duailibi, do Conselho Nacional da Associação Brasileira de Propaganda – ABAP. No final, fomos recebidos pelo Marechal Pinochet com colegas da Argentina, Bolívia e Peru. A resposta veio mais tarde, porque em 2001 pela Universidade Católica do Chile, através de um acordo com a Universidade Católica de Porto Alegre, onde estudei Jornalismo, Publicidade e Relacionista implementados cursos de comunicação social. Entre prateleiras do Congresso na capital chilena, havia reuniões da fundação da ALAP culminando no sucesso de uma sede provisória em Santiago e formada a primeira diretoria formada por publicitário Fernando Silva como presidente, Raul Gamio, presidente da Associação Peruvian Advertising como diretor financeiro e eu, como secretário geral. Eu elaborei o Estatuto da ALAP. O passo seguinte foi a Assembléia Geral, em Montevidéu em novembro de 1982, quando foi decidido que a sede da ALAP ser localizado em Porto Alegre, sendo uma cidade estratégica do Mercosul. Fui eleito Secretário Geral e José Daltro Franchini, Presidente da ABAP no Rio Grande do Sul. Daltro, o primeiro presidente da organização que nasceu pequeno para se tornar significativo ao longo de sua história.

Em 1983, foi realizado o Festival Latino-americano de Publicidade hoje é global, com a presença de Fernando Silva, então presidente, para anunciar em sessão pública na plenária do evento, o fundamento da ALAP, com sede em Porto Alegre. Demorou dois anos para obter o Estatuto da ALAP de acordo com a legislação brasileira, uma vez que estrangeiros que não residem no Brasil não podem votar ou ser votados, ainda hoje. Em junho de 1987, fizemos o II Congresso Latino-Americano de Publicidade no Hotel Serrano na Serra Gaúcha, começando às 9 da manhã e terminando às 18 horas, com o tema: “Os preços degradantes produtoras de vídeos de comerciais de televisão ” Às 17 horas, o presidente do Segundo Congresso, Ernani BEHS, presidente da Ogilvy e Mather, em Porto Alegre, publicitário e advogado que conduz o trabalho e acabou com uma recomendação às estações de televisão: “os produtores de TV deve instalar empresas de produção comercial a fim de reduzir os custos, muito alto no momento “.

No mesmo dia, foi inaugurado em 19 am, o monumento Mauricio Sirotsky Sobrinho, o primeiro patrono do Festival de Gramado, que morreu em 1986. Como patrono do Festival de Gramado convidar Roberto Marinho, presidente da Globo Vermelho, que contou a divulgação do evento em nível nacional, através de spots na rádio Globo no Rio de Janeiro e em São Paulo e anúncios no jornal O Globo. Treze presidentes de associações de publicidade da América Latina e cerca de 1.000 participantes apareceram no Congresso. E ALAP continuou sua carreira, fazendo acordos com grandes jornais latinos, oferecendo preços abaixo de sua mesa para o evento para ganhar visibilidade, mesmo com as taxas CACEX cerca de 15% nas negociações externas.

Outra iniciativa da ALAP foi a realização
João Firme de Oliveira – Secretario General de ALAP

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!