MEU REINO POR UM CAVALO NA PROPAGANDA

 em Artigos

*João Firme

Quando foi anunciado no teatro da OSPA, nos anos 70, o “Meu Reino por um Cavalo”, obra de Shakespeare, caí duro ao ler que os artistas seriam Paulo Gracindo e Clara Nunes, meus ídolos na juventude.

Por telefone, falei com o empresário no RJ para fazer a transmissão pelo Rádio e consegui convencê-lo com o argumento que muita gente poderia assistir e a bilheteria estava garantida e, se isso ocorresse, a temporada dos grandes artistas seria mais rentável, pois a Propaganda patrocinando a transmissão derivaria um percentual para os artistas, para a OSPA e entidade filantrópica.

Deu certo e convencemos um patrocinador que não sabia quem eram na história cultural e da arte, Shakespeare, Beethoven, Di Cavalcanti, Cleópatra, Rei Salomão, Rei Davi, Rainha Vitória, Villa Lobos, entre outros. Pasmei quando ele me disse que não sabia nada de Érico Veríssimo e de Mario Quintana, mas conhecia poesias de Luiz Coronel porque era publicitário e havia pensado procurá-lo para lhe dar a conta.

A Casa das Blusas era de um empreendedor de visão que comprava bem em SP pagando à vista ou antecipado e por isso podia vender por menor preço em Porto Alegre. O dono, Clovis Nunes, criou um departamento de roupas finas para as socialites de Porto Alegre e investia forte em desfile de modas em chás da tarde para obter fundo para o Instituto Santa Luzia  que realizávamos em Clubes Recreativos com a Rádio Itaí.

Sobre o patrocínio de “Meu Reino por um Cavalo”, o resultado obtido pela Propaganda com o patrocínio foi surpreendente, com a venda de todo o estoque e ganhei uma viagem à São Paulo para conhecer uma das indústrias de confecções que vendia para o cliente.

Mas os eventos culturais ou de artes conseguem às vezes publicidade em TVs e Rádios, um dia ou dois antes das apresentações. Como apaixonado da nossa Sinfônica de Porto Alegre, da qual fui associado contribuinte, fiquei perplexo ao ler um anúncio cortesia do Jornal do Comércio (coisa rara) que teria um espetáculo gratuito no teatro do Jardim Botânico, atração verde da capital gaúcha, no dia 1°/10, às 18h e no programa tinha músicas de Beethoven. Enlouqueci e pedi licença para minha mulher, que me aguenta há 52 anos, e me mandei para o Teatro, saciando minha saudade desde 1987, quando ouvi algumas  músicas preferidas pela Sinfônica de Berlim que veio à cidade de Paixão Côrtes nas comemorações dos 100 anos da Brahma, por sugestão da Arauto Publicidade (nossa ex-agência), que teve a conta na Cristóvão Colombo onde hoje está o Shopping Total e tem a enorme Torre como Patrimônio Histórico Cultural e é atração turística.

Como a Sinfônica de POA é do Estado do RS, o governo devia permitir que a Propaganda divulgasse suas apresentações pelo Rádio ou Televisão cobrando ingressos e esses revertidos para uma instituição filantrópica e porque não o Instituto Ver Hesíodo Andrade, a ONG da Propaganda que está necessitando de sede própria para atendimento gratuito em crianças com até cinco anos, evitando com sessões de estimulação e reabilitação a cegueira precoce. Outros espetáculos também poderiam ser divulgados pela Propaganda desde uma vez que fosse consentido pelos empresários avarentos e compreendessem que os resultados vão beneficiá-los (ele e o artista) e à sociedade que atua na responsabilidade social.

Somos todo Propaganda. Acredite no Brasil.

Encerro para que o Estado permita que a OSPA seja patrocinada pela Propaganda quando se exibir e que o dinheiro arrecadado com a venda de ingressos seja revertido para uma ONG reconhecida. Outros espetáculos, poderiam ser patrocinados pela Propaganda em todos os Teatros no RS.

A própria ONG ajuda a Agência de Propaganda a encontrar patrocinador  da mídia, indicando empresas e instituições privadas que precisam reluzir a marca e praticar a responsabilidade social.

*Publicitário e Jornalista
alap@terra.com.br

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

ALAP | Associação Latino-Americana de Publicidade