ALAP | Associação Latino-Americana de Publicidade

Artigos e Notícias

OS REIS MAGO E OS MOSQUETEIROS DA PROPAGANDA

Encontrei em meu baú . artigos  e entrevistas que os considerei exemplo de vida que eu os comparam  com os Magos e Mosqueteiros.

Roberto Duailibi ao receber a Medalha Mauricio Sirotsky Sobrinho no Festival de Gramado de 2007 deu esta joia de afirmação na Revista Advertising,edição 111:”Dediquei meu passado para a construção do meu futuro”. Para ele a função da publicidade é “tirar as pessoas de seus invólucros, de suas amarras e levá-las a assumir atitudes com relação à vida.” E assino embaixo o que o Duailibi tem feito pela propaganda, fundando a ALAP-Associação Latino-Americana em Santiago do Chile e me incluiu sem saber na diretoria como Secretário-geral. Foi Patrono do Festival de Gramado em Buenos Aires em 2006 na Embaixada do Brasil, Patrono do de Gramado em 2007, Patrono da Edição Extra  de 2012 em Montevidéu e 2014 na cidade do Panamá, Presidente do 20º  Festival Mundial de Publicidade de Gramado e este ano Patrono do núcleo da ALAP –Publicitários sem Fronteiras que será apresentado dia 8 de junho, às 8 horas no Café da Manhã no hotel Casa da Montanha. E já está de malas prontas para edição extra  de 2018 para promover o Brasil na nossa Embaixada em Washington.

Luiz Coronel em artigo na ZH, 22/5/2008: Nós os profissionais da propaganda do RS, sem que nosso Estado seja estrela de primeira grandeza na disponibilidade de recursos investidos em comunicação realizamos um bom trabalho. Enquanto RJ e SP administram catadupas de verbas, oriundas de contas de bebidas, celulares, automóveis, afora o manejo de verbas estatais, nós repartimos fatias menores do bolo. Temos nós mesmos,nós mesmos, de edificar nossos fatos,feitos e eventos.  Aí está o Festival Mundial de Publicidade de Gramado realizado nos anos ímpares e para não ficar”com as imensas mãos abanando” como disse o poeta Vinicius, edições extras no exterior desde 2004 quando começou na Embaixada do Brasil. Pincei do artigo desse cabedal de sabedoria e que enfrentou comigo algozes censores da propaganda: “Não será olhando, contemplando,que vamos alcançar os objetivos que justificam tão largo passo”.

Renato Castelo Branco, o maior conferencista do Festival de Gramado de 1981, fez uma avaliação  conforme matéria do Meio & Mensagem, 2ª quinzena de julho, Ainda há luz no fim do túnel.

Pois o pai do Hiran, nosso presidente internacional da ALAP que  inúmeras vezes na agência em SP nos servia cafezinho porque enquanto falávamos, deu este belo ensinamento em Gramado:”Mas por que não podemos fazer pela propaganda brasileira o que Villa Lobos fez pela música, Jorge Amado pela literatura, Di Cavalcanti pela Pintura? Isto é: atingir o universal através do regional”. Comenta o M&M que o grande momento nesse painel no Festival de Gramado de 81 foi quando ele colocou que as agências brasileiras terão que encontrar o caminho para se transformarem na ponta de lança da indústria e da economia nacional – como as grandes agências americanas o foram de seu país. “Com este pensamento, proponho, aqui e agora, que as principais agências nacionais se organizem em um “pool” para criar uma agência brasileira que atue nos mercados internacionais, para apoiar os interesses da nossa economia.

E entre os Reis Mago e os Mosqueteiros, gosto de ser seus  EMAÚS.

*João Firme
Publicitário e Jornalista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *